Fadon Vicente no Fórum

Por em 23 de Junho de 2014

O Fórum Eugénio de Almeida apresenta Cenários: de duetos e diários, a primeira grande exposição em Portugal de Carlos Fadon Vicente, um dos fotógrafos mais importantes do panorama artístico-fotográfico do Brasil e um dos pioneiros da arte telemática brasileira.

A exposição exibe uma antologia representativa da produção fotográfica de Carlos Fadon Vicente desde a década de 1980 até a atualidade.

A paisagem urbana, nos seus mais diversos aspetos, constitui o tema norteador da mostra, que inclui onze séries, sendo que cada uma delas apresenta uma seleção de várias fotografias, bem como Dolores, uma obra audiovisual hipermédia, baseada igualmente na criação fotográfica. A escolha temática não é casual. Ela atende à relevância que o ambiente urbano assume na sua produção artística. Questões estéticas, sociais, históricas ou arquitetónicas são observadas, direta ou indiretamente, a partir de uma ótica sui generis.
As 87 fotografias exibidas em Cenários: de duetos e diários articulam-se como diários, elaborados com base num diálogo constante do artista com o ambiente observado. Portanto, o uso do termo dueto no título da exposição não é fortuito, já que a relação dialógica está patente tanto do ponto de vista do conteúdo (por exemplo, as interconexões entre interior e exterior, público e privado, analógico e digital, indivíduo e meio, tempo e evento, realidade e virtualidade, controlo e descontrolo), como do ângulo metodológico (a interação entre prática artística e domínio técnico, na qual, com frequência, o aleatório ou o inesperado desempenham um importante papel).
Uma das séries em destaque (que o artista costuma denominar ensaios) é Noturnos, produzida ao longo de 26 anos, a partir de 1987. A extraordinária qualidade estética e técnica deste ensaio realizado, como o próprio título assinala, à noite, consegue criar ambientes fantasmagóricos, irreais, transformando uma das maiores metrópoles do mundo, São Paulo, num cenário completamente vazio de pessoas e repleto de elementos simbólicos.
Outro ensaio de especial relevância é Outdoor Mulher (1979 – 2008). A representação e o lugar da figura feminina no espaço urbano, especificamente nos cartazes de rua, são o leitmotiv deste trabalho, fruto de inumeráveis incursões de Fadon pela cidade paulista, numa época em que ainda era permitido o uso, no centro da cidade, de grandes outdoors. Mais do que uma denúncia, a obra propõe reflexões críticas profundas, mas também irónicas, sobre as imagens-cliché, que exploram o corpo feminino como “objeto” de suporte de venda de produtos e de consumo. De acordo com Claudia Giannetti, comissária da exposição, “as suas mensagens transitam entre o delírio e o capricho, entre o absurdo e a futilidade, o êxtase e o fascínio, num abuso da beleza feminina, do magnetismo da sensualidade (inclusive do sexo potencial)”.

O conjunto da produção revela um microcosmo pessoal e a capacidade do artista para desenvolver uma linguagem própria de grande sensibilidade estética e excecional qualidade técnica. As ligações e correspondências entre realidade e fotografia, a sua exploração como metalinguagem, assim como os ensaios fotográficos com base nos contrastes e mutações da paisagem urbana, têm sido as preocupações centrais da atividade em fotografia de Carlos Fadon Vicente desde o seu início em 1975.
Por ocasião da exposição edita-se um catálogo monográfico, com textos inéditos da curadora Giannetti e do famoso historiador brasileiro, Boris Kossoy, reconhecido teórico e especialista da fotografia, professor titular da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e autor de vários livros.

Carlos Fadon Vicente
Carlos Fadon Vicente (São Paulo, 1945) é um dos principais representantes da criação fotográfica brasileira. A sua obra tem sido apresentada em exposições individuais, eventos e mostras coletivas internacionais, como a Bienal de São Paulo, a VI Bienal del SIArt (La Paz) ou o Nam June Paik Award (Alemanha). Faz parte de coleções públicas e privadas no Brasil e no exterior, como a do Museu de Arte de São Paulo, do Centro de la Imagen (México), do Center for Creative Photography (EUA), Coleção Pirelli / MASP de Fotografia (Brasil), entre outras.
Em 2009, foi-lhe atribuído o prémio mais importante de media art do Brasil, o 8.º Prêmio Sérgio Motta de Arte e Tecnologia (São Paulo), pelo conjunto da sua obra. Em 2012, foi selecionado como finalista do prémio de media art mais representativo da Alemanha, o Nam June Paik Award (Düsseldorf). Os dois museus de arte mais importantes do Brasil, o Museu de Arte de São Paulo (MASP) e o Museu da Imagem e do Som de São Paulo (MIS) organizaram, cada um, em diferentes anos, três exposições individuais do artista.
Carlos Fadon licenciou-se em Engenharia Civil pela Escola Politécnica (1968) e em Artes Plásticas pela Escola de Comunicações e Artes (1982) da Universidade de São Paulo. Obteve o Mestrado em Artes pela The School of the Art Institute of Chicago (1989) em Arte e Tecnologia, tendo como áreas de reflexão a imagem digital e a fotografia, com estudos adicionais em telecomunicações.

Sobre Redacção Registo

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.