Mértola mais património e turismo cultural

Por em 18 de Maio de 2014

Ao longo dos últimos 35 anos, o concelho de Mértola sofreu uma profunda revolução social e cultural: perdeu a condição de vila pobre, habitada por gente privada das mais elementares condições de vida, para se transformar num importante centro de investigação sobre o mundo mediterrânico, com projecção internacional.

Em Março abriu mais um núcleo museológico, justificado por um turismo que se mantém pujante, mesmo em anos de crise.

É o resultado do trabalho desenvolvido pelas equipas lideradas pelo arqueólogo Cláudio Torres, fundador e director do Campo Arqueológico de Mértola (CAM) e Prémio Pessoa em 1991, e das opções dos sucessivos executivos municipais que se materializa hoje na instalação de 12 núcleos museológicos. Tem um centro universitário onde se desenvolve um trabalho de parceria com as universidades de Coimbra, Faro e Évora, e que faz deslocar até ao Campo Arqueológico de Mértola investigadores e especialistas para adquirirem conhecimentos ou consultarem a sua biblioteca com 70 mil volumes, a maior do país sobre a cultura islâmica.
A par do turismo cultural que leva a Mértola visitantes com exigências específicas, casais, pequenos grupos de pessoas “que sabem ao que vêm”, refere o arqueólogo, chegam os entusiastas do turismo ornitológico, vindos sobretudo do norte da Europa e até da América para observar a águia-imperial-ibérica, abetardas, grifos, sisões, melros-azuis ou peneireiros-das-torres, a que se juntam os praticantes da canoagem e do remo e fervorosos adeptos da caça cinegética. Este conjunto de valências turísticas traduz-se na visita de 25 a 30 mil pessoas por ano, oriundos de Portugal (cerca de 65%) mas também de Itália, Bélgica, Suíça, Brasil, Dinamarca, Canadá, E.U.A, e países do Leste da Europa.
Quando iniciou as escavações arqueológicas, Cláudio Torres estava longe de imaginar a progressão das descobertas que iriam revelar uma história multifacetada, partilhada por vários povos, culturas e religiões. A população olhava incrédula “os gajos que andavam à cata dos cacos” sob a inclemência de um calor tórrido acima dos 40 graus durante semanas e um pó que se impregnava nas roupas e nos corpos. Que “raio de mania era aquela que motivava estudantes e professores a revolver a terra, em vez de irem para a praia”, questionavam. Que vontade motivava gente vinda de fora para viver e trabalhar numa terra pobre?

Entretanto, toma corpo um paradoxo que acabou por se revelar comum a todo o interior alentejano. “O jovem de Mértola quer ir embora da sua terra formatado por um sistema de ensino que promove a cultura urbana e estigmatiza o mundo rural”, diz Cláudio Torres. Apesar de ali ter sido instalado um pólo da escola de formação profissional Bento de Jesus Caraça, onde os formandos adquirem conhecimentos inclusive em turismo e património, o certo é que “acabam por ir embora”, refere, fragilizando o tecido social e económico do concelho e obrigando o CAM a ir “buscar jovens fora da terra”. Premonitório, admite que dentro de 30 a 40 anos “haverá em Mértola outro tipo de população”. Há investigadores já com filhos nascidos na vila museu.

O relatório elaborado pela Câmara de Mértola em 2012 com dados estatísticos relativos aos visitantes e à evolução das estruturas de apoio aos viajantes destaca a importância do património e o incentivo ao turismo, concluindo que estas valências “são o principal elemento agregador e potenciador do desenvolvimento local”, mesmo em tempo de crise económica.

Sobre Redacção Registo

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.