Frutas e legumes com exportações em alta

Por em 25 de Outubro de 2017
DR

O sucesso das frutas e dos legumes produzidos em Portugal mede-se este ano numa expectativa de vendas ao exterior de 1500 milhões de euros porque há a qualidade garantida pelo clima atlântico e há diversidade de produtos, mas também porque a fileira sofreu nos últimos anos uma enorme transformação. Hoje, as empresas, as suas associações ou os seus representantes “apostam no conhecimento, na inovação, nas novas tecnologias”, explica Luís Vieira, secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, ao Público.

Desde que a Portugal Fresh foi criada em 2011, a representação do sector nacional em certames como o de Madrid, onde estiveram mais de  60 mil visitantes profissionais de 140 países, mudou. “Antes íamos às feiras sozinhos, eram 20 metros quadrados aqui, 15 ali…”, recorda Gonçalo Andrade, presidente executivo da associação.

Desta vez, 29 empresas e oito associações albergaram-se debaixo do mesmo chapéu com uma área de 417 metros quadrados. A visibilidade de Portugal está longe da apresentada pela Andaluzia, com os seus 10 mil metros quadrados. Ou de gigantes mundiais da agricultura como a banana Chiquita. Mas serve para testemunhar o protagonismo de um sector que em menos de dez anos passou de actor secundário para o papel de estrela da exportação.

Este ano, as frutas e legumes valerão quase o dobro do vinho na exportação (vinho do Porto incluído). E a meta de superar os dois mil milhões de euros em 2020 permanece alcançável. “Queremos manter um crescimento acima dos 10% ao ano nas exportações”, diz Gonçalo Andrade. No primeiro semestre, a ambição foi superada: as vendas ao exterior cresceram 23%, principalmente arrastadas pelo segmento das frutas, a subir 45% no período.

O que explica este desempenho? O clima, a começar. As temperaturas mais amenas da frente Atlântica “fazem com que haja um tempo mais demorado entre o aparecimento da flor e o fruto”, o que faz com que “os nossos sabores sejam mais intensos”, diz Gonçalo Andrade. Mas não é apenas o “Atlantic Breeze Taste” (sabor da brisa Atlântica) que a Portugal Fresh usa como mote do seu marketing a explicar o sucesso. Nos últimos anos, principalmente depois de a Portugal Fresh aparecer, os agricultores e empresas dedicaram-se a ganhar músculo em organizações de produtores (OP) – 25% da fruta passa pelas OP, embora o país esteja ainda longe da média europeia de 46%. Mas, principalmente, as empresas modernizaram-se e são hoje muito mais profissionais e competitivas.

Faltam apenas três anos para se verificar se a ambição das exportações de 2000 milhões de euros se cumpre. Mas, mesmo que não se chegue lá, a hortifruticultura nacional terá praticamente triplicado o valor das suas vendas ao exterior numa década.

Sobre Redacção Registo

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.