“Éramos parceiros da troika”

Por em 19 de Outubro de 2011

Deputado socialista Carlos Zorrinho diz que o PS foi “afastado” de “quaisquer negociações” com a troika, cujo acordo subscreveu.

Carlos Zorrinho mantém o mais recente “tabu” da política portuguesa. Só na próxima semana se saberá como é o PS irá votar o Orçamento do Estado para o próximo ano, isto depois de o secretário-geral dos socialistas ter anunciado que apenas haveria uma possibilidade “mínima” de o PS votar contra.
A verdade é que as declarações de António José Seguro foram feitas antes de o primeiro-ministro ter revelado o conteúdo do Orçamento, com medidas entre as quais se inclui o corte dos subsídios de Férias e de Natal dos funcionários públicos e pensionistas.
Seguro passou a estar sob dois fogos cruzados: de um lado, no interior do partido, pressão para votar contra; do outro, na frente externa, no sentido de “não descolar” do acordo alcançado com a “troika”.
“Se o Governo continuar neste caminho, não facilita que o voto a favor de Portugal seja um voto a favor deste orçamento”, disse este semana Carlos Zorrinho, que no programa Praça da República (Diana FM/Registo) não foi mais esclarecedor sobre a forma como os deputados socialistas irão votar. Ainda assim, deixou uma frase que pode resumir o sentimento do PS: “Éramos parceiros da troika, fomos afastados de quaisquer negociações sobre isso”.
O líder parlamentar do PS, e deputado por Évora, diz que a “maioria está a começar a dissolver-se”, como o “comprovam” recentes notícias sobre divergências entre ministros e ameaças de demissão a nível de secretários de Estado, e acusa os ministros das Finanças, Vítor Gaspar, e da Economia, Álvaro Santos Pereira, de estarem a gerir o país como se fosse uma “candidatura” ao Nobel: “Se acertarem ganham o prémio mas estão a destruir a economia e a classe média”. Dois ministros com uma “cartilha ideológica muito forte e cega” que, na prática, estão a seguir o exemplo grego tomando sucessivas medidas de austeridade. Essa “não é a mezinha redentora que resolve os problemas da nossa economia”.
“Se se trava a economia, se as pessoas compram menos e pagam menos IVA, apesar de este ter uma taxa maior, se as empresas exportam menos, a receita baixa e o esforço de corte da despesa tem de ser muito maior”.
“Há opções de classe por detrás destas opções políticas”, diz por sua vez o deputado comunista João Oliveira. O deputado exemplifica com o recente apoio dos governos francês e belga ao banco Dexia através de garantias financeiras estatais no valor de 95 mil milhões de euros.
“Quando se diz que não há dinheiro para manter as condições de vida das pessoas, diz-se ao mesmo tempo que há para tapar buracos do sector financeiro. São opções de quem entende que os sectores financeiros têm de ser salvos e as condições de vida das pessoas podem ser postas em causa”.
Também no caso português, João Oliveira diz que não se pode pôr “no mesmo saco” toda a despesa do Estado, ao contrário da estratégia que tem sido seguida pelo Governo.
“De que encargos estamos a falar quando falamos genericamente na despesa do Estado?”, interroga. Isto porque “tanto cabem as transferências nos negócios milionários das parcerias público-privadas para entidades que recebem três e quatro vezes o valor do investimento que realizaram em nome do Estado como a recusa de transporte a uma doente oncológica de Montemor para efectuar um tratamento em Évora”.
“Só não faz diferença entre isto quem intencionalmente quer meter tudo no mesmo saco para tratar o serviço nacional da saúde e as prestações sociais como os encargos com a construção de auto-estradas”, resume.
O PCP já anunciou que irá votar contra a proposta de Orçamento do Estado para 2012, cua votação final global ocorrerá em Novembro.

Sobre Luís Godinho

3 Comments

  1. Carlos Miguel Santos

    19 de Outubro de 2011 at 23:10

    Este "senhor" ainda tem a lata de mandar estas postas de pescada??? Será que já entregaram os carros onde esbanjou o nosso dinheiro??? Haja decoro!!!

  2. Lynce Distraido..

    20 de Outubro de 2011 at 0:54

    Onde pára a equidade? O deputado do PSD, foi ouvido? Não vejo referência(s) ou já tem agenda longe dos problemas e interesses do distrito?

    • Luís Godinho

      21 de Outubro de 2011 at 12:17

      Nota do editor: O deputado Pedro Lynce não participou nesta edição do programa Praça da República em virtude de ter sido submetido a uma pequena intervenção cirúrgica.

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.