Crise pode fazer aumentar crianças e jovens em risco

Por em 19 de Janeiro de 2013

O presidente da Comissão Nacional de Protecção das Crianças e Jovens em Risco (CNPCJR), Armando Leandro, admitiu que, por causa da crise, possam aumentar os casos de menores negligenciados e em risco.

“A recolha dos elementos relativos a 2012 está a decorrer, por enquanto ainda não há dados objectivos quanto à evolução do fenómeno, mas estamos a preparar-nos e as comissões estão muito alertadas para isso”, afirmou o presidente da CNPCJR, à margem do 3.º Congresso Sobre o Abuso e Negligência de Crianças, que terminou este sábado e reuniu dezenas de especialistas no Porto.

“As instituições com responsabilidades na defesa das crianças e jovens estão alertadas para a eventualidade de aumentarem os casos e houve algum reforço de meios nesse sentido”, sublinhou, para salientar a importância da prevenção e detecção precoce do problema, em articulação com as escolas, juntas de freguesia e profissionais da saúde.

“O facto de as pessoas estarem em dificuldades económicas não quer dizer que coloquem as crianças em perigo, mas é verdade que daí podem resultar situações de negligência e de risco”, acrescentou Armando Leandro.

O presidente do Instituto Nacional de Medicina Legal (INML), Duarte Nuno Vieira, concorda que “a crise leva a situações de maior angústia e perturbação no ambiente familiar”. E que isso pode potenciar os casos de maus-tratos e de negligência.

O risco é maior se considerarmos que “muitos pais portugueses ainda pensam que as punições corporais são uma coisa aceitável”, ainda segundo Duarte Nuno Vieira. Para o presidente do INML, urge promover uma campanha de sensibilização contra os castigos corporais e contra a exposição das crianças a situações de violência.

 

Sobre Redacção Registo

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.