SEDES abre núcleo regional em Évora

Por em 6 de Outubro de 2011

Debate sobre perspectivas para o desenvolvimento do Alentejo marca apresentação de estrutura regional da associação cívica.

O presidente da SEDES, Luís Campo e Cunha, defende a necessidade de uma mudança no paradigma do exercício das funções da actividade política e do sistema de representação parlamentar.  Sobre este tema, Campos e Cunha – que se demitiu de ministro das Finanças no primeiro governo liderado por José Sócrates – diz mesmo que “o voto em branco (ou deliberadamente nulo) é, do meu ponto de vista, um voto que me merece a maior consideração. É de alguém que se deu ao trabalho de não ir à praia, que participa na democracia mas que não se revê nos partidos e nas pessoas que se apresentam a votos”.
“O voto em branco é um voto de protesto contra essas pessoas e esses partidos, em concreto. Mas não é um voto contra a democracia ou contra os partidos, em geral, como é a abstenção”. “Infelizmente, o nosso sistema eleitoral não distingue as duas situações. O voto em branco (não a abstenção) é um voto politicamente consciente e deveria estar parlamentarmente representado por ninguém, por cadeiras vazias”, acrescenta.
Sobre a situação actual do país Campos e Cunha defende que “a ajuda externa chegou com muito atraso” e em relação à descida da taxa social única – proposta pela “troika” e adiada pelo Executivo de Passos Coelho – concorda que a a sua redução “é um erro grave, do ponto de vista técnico e político”.
“Um dos problemas da economia portuguesa é a estabilidade orçamental e sem ela o financiamento da economia não funciona”.
Campos e Cunha falava em Évora durante uma conferência sobre perspectivas para o desenvolvimento do Alentejo destinada a “lançar” o núcleo regional da SEDES – – Associação para o Desenvolvimento Económico e Social
Trata-se de uma das mais antigas associações cívicas portuguesas. Constituída em 1970, os seus fundadores foram oriundos de diferentes formações académicas, estratos sociais, actividades profissionais e opções políticas, associadas a uma grande vontade de mudança e uma prática de militância social diversificada: associativismo académico, prática de contestação política contra o sistema, participação em organizações cristãs e actividade sindical.
Realizou encontros, estruturou-se em grupos de trabalho, animou debates em diversos pontos de Portugal, foi a primeira organização a proclamar as vantagens de uma aproximação à Comunidade Europeia.
De entre os seus mais destacados membros salienta-se, Francisco Sá Carneiro, o primeiro-ministro morto em 1980, em Camarate.
A conferência, com moderação de José Faustino reuniu, perante mais de uma centena de participantes, diversos especialistas e figuras de prestígio dos meios académico, político e empresarial, de âmbito nacional e local, entre os quais o ex-ministro da Agricultura, António Serrano, o professor universitário Paulo Neto, José Manuel Santos, Sandra Dourado (da Divinus Gourmet, um exemplo de sucesso e empreendedorismo local) e José Maria Lobo de Carvalho, da Parques de Sintra – Monte da Lua.
O encerramento da conferência foi realizado por Silvino Barata Alhinho que, em jeito de balanço, “assumiu o desafio e a responsabilidade que o facto de a SEDES estar em Évora, representa para o debate e reflexão dos temas de interesse local e regional”, tendo sido feito um convite a todos os presentes para aderirem ao projecto, podendo desta forma “ajudarem na construção, conjunta, deste caminho de participação democrática e de uma cidadania activa.”
Até final do corrente ano a SEDES (Évora) irá promover encontros e debates sobre temas suscitados no âmbito desta conferência inaugural.

Sobre Redacção Registo

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.